Há dias assim (doridos)

Ontem voltei à cadeira inclinada para me tentar fixar na luz que incide na minha cabeça e contrariar a dor, os nervos, o suor nas mãos, a ansiedade, os sustos, os cortes, as lágrimas que se contêm nos olhos.
E se algum dia este pesadelo terminar eu já não precisarei dos dentes para nada.

Mensagens populares deste blogue

Do mar de Santa Cruz, com Berlim no pensamento

O senhor Rui

O dia de hoje naquele outro dia