Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2014

Daqui, do sopé do monte

Imagem
Poderei conhecer todos os continentes do mundo, passar por países diferentes, sítios onde apenas poderei ir uma vez mas nunca esquecerei este lugar, este canto entre o mar e o monte, entre a distância do que tenho e do que sempre sonho, o horizonte, o infinito, lugar nenhum.

Tão simples, tão completo

O pequeno almoço ao domingo é um ritual. É poder beber o leite com café sem estar a enumerar tudo o que tenho de fazer a seguir, o trabalho que devo entregar, as entrevistas, as reuniões, os problemas por resolver.
É poder disfrutar de algo tão simples mas que sabe tão bem. É alternar da mesa para o sofá, com o jornal ou a revista de leitura obrigatória neste dia. É ter tempo para fazer e saborear um simples sumo de laranja, é pensar apenas se o sol vai despontar.
É espreguiçar no tempo.

Ir na corrente

Desmotivam-me aquelas pessoas que necessitam de ser constantemente o centro das atenções e de brilhar muito. Elas, já nasceram, por si só, com muita luz mas precisam sempre de mais e mais. E depois amuam. E depois perdem o encanto. Deixo de me interessar pelo olhar profundo, pelos sorrisos, pelas histórias que contam. Desmotiva-me trabalhar sem inspiração e quando já invento desculpas para não estar, para não fazer acontecer. Vou na corrente.

Voglio dirti

Imagem
Saudade do que fui e não fui. Do que vivi e não vivi. Sonho. Memória. Às vezes penso que invenção. Medo. Solidão. Perguntas que a vida responde. Inquietação. O rio, o mar, os lugares. Desilusão. Eu, nesse universo que girou e girou e tudo levou. Silêncio, aqui. Onde me escuto, onde nada persiste e te vejo ao fundo. Uma sombra, um gigante que sempre vem em cada abraço, em cada beijo dos namodados, em cada dois de nós que já não somos. Realidade. E a cada passo, mudança, vais sempre. Viagem. Um dia, dois, sempre!

Agora mesmo, desse lado

Se algum dia puderes ler isto quero que saibas que neste momento não consigo sequer concentrar-me para ler os artigos que tenho à minha frente. Porque estou numa excitação tão grande, num estado de ansiedade à espera de receber desse lado a mensagem "nasceu e está tudo bem". Porque é sempre nestes momentos que sabemos que a vida nos pode dar uma grande volta e que não há ciência, tecnologia ou pessoas que façam milagres. E penso na fragilidade. Não encontrarei história como a tua e dificilmente não viverei uma assim, tão intensa. Se hoje nascer a Maria, daqui a alguns tempos quero que ela saiba por mim que tem a melhor mãe do mundo, uma pessoa generosa, uma Amiga que desde o primeiro dia me cativou pela simplicidade, pela calma, descontração e energia. Nunca irei conhecer alguém que fizesse tantos programas de uma só vez, tantas viagens, atividades e que sempre me empurrou para sair, para não me fechar quando os momentos que atravessei não eram os mais fáceis, para conhecer …