Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2013

E para o novo ano também....

"Por mais árduo que seja o caminho, afinal de contas somos forçados a enfrentar a verdade"

(in O Quarteto de Alexandria, de Lawrence Durrell)

Em 2013

Em 2013
Continuei à procura de ser feliz, de ter paz interior, de mudança em mim.
Não vivi paixões, amores ou ainda mais desamores. Desafiei o medo, a solidão, a tristeza, a desilusão da perda, da ausência e de conhecer pessoas que desvendam véus de tudo o que nunca esperamos delas. Em 2013 a saga dos dentes continuou. Engordei e por esta altura tenho a mais 6kg que não consigo perder e descobri maleitas sérias que espero não evoluam. Tento ser bem educada quando me dizem que estou mais “cheiinha” e tento manter a calma quando não tenho roupa que me sirva no armário. Foi o ano em que fiz mais viagens e voltei finalmente a Itália, regressei a lugares mágicos dentro e fora de Portugal.
Conheci pessoas com boa energia (obrigada Carina), comecei a viver mais Lisboa e li muito. Mas não consegui acabar o livro atual antes do novo ano (na verdade, são quatro livros). Ouvi muito, chorei, acreditei e aprendi a dançar. Fui ao teatro mais do que uma vez e aproveitei dias de praia como já não me lembr…

O fim do ano

Imagem
A chuva e o vento forte fazem da marginal um corredor deserto. Foi apenas num dia em que o sol espreitou, mas depressa deu lugar às nuvens cinzentas e carregados que tornam o tempo ainda mais nostálgico.
Deambulo entre o farol e o sítio dos pescadores e rogo para que um dia este possa ser o meu horizonte diário.



Sobre o Natal

-Nunca dizer às pessoas para contarem com doces feitos por nós porque as coisas podem correr mal;
-Até hoje nunca vi uma receita correr bem quando na preparação refere "atenção para não criar grumos";
-Qual é o problema das pessoas que teimam em não ir para o estacionamento -3 nos shoppings e começarem a barafustar com toda a gente à volta? É sabido de toda a gente que ainda não é possível levar o carro para dentro do supermercado;

Momentos

Para nunca mais esquecer.
Descalçar os sapatos, entrar no templo da comunidade Hindu em Portugal e usar os cinco sentidos.

Hoje, na viagem

É como se já conhecesse esta música mas no instrumental há ali qualquer coisa do Mika.
Sim, estou cada vez pior!

Do fim de semana

Imagem
Bastaram três semanas para uma nova rotunda nascer na entrada de Esposende e eu quase defazer o carro despois de mais de 300km em sossego.

Os campos cobertos de geada branca e um frio cortante. A passadeira vermelha, as luzes e a música de natal nas ruas. Acordar com mais um peditório e música popular. Subir ao Monte da Sr.ª da Guia e ficar ali a olhar para o mar, os campos, o rio e as casas e pensar em como mudou a paisagem nestes anos.

Abraçar amigos que estão sempre ali.



A moda do pisca pisca

Não, não é música pimba.
São as iluminações de Natal no Norte que ferem a vista!

Da cozinha e da arte de não saber fazer nada

Inscrevi-me num Workshop de comida Indiana. Eu nem umas migas Alentejanas sei fazer mas vou experimentar algo além fronteiras...nada como ter alguns ingredientes e depois abusar das especiarias para que fique tudo baralhado nos sentidos. Pode ser que aprenda a dosear os temperos e da próxima vez que fizer os meus queques de gengibre não terei a casa "perfumada" durante três meses.

À noite

Hoje a ciclovia cheirava a lareira. E o frio fazia doer as têmporas e havia menos pessoas a cruzarem o caminho escuro comigo.
E estava alguém a fotografar as estrelas, ou seria o mar e as luzes intermitentes dos barcos de pesca?
Hoje, à noite, pensei no ontem e no amanhã. E no depois também. E tentei correr novamente.