Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2010

Um dia

Um dia vou perceber que não há amanhã.
Hoje é o dia.

*para juntar às saquetas do café.

Outono

Faz tempo que o Outono não me devolvia as suas cores tanto como agora.Nos últimos meses a natureza rodeia-me e, desde o fim do verão, é quase impossível não reparar nas cores das folhas. É espantoso quando está sol e as cores amarelo e vermelho ficam ainda mais vivas, mas com chuva e temporal fica um manto de folhas pelo chão, voam e fazem do espaço um enorme retalho de cores lindas! Nestes dias de Outono não fico indiferente ao enorme arvoredo que me rodeia. E sou levada para as memórias do tempo da escola primária onde ficou aí parada a importância que se dava às quatro estações. E porque o caminho de casa para a escola se fazia a pé havia tempo para recolher folhas que caíam dos enormes plátanos para depois colocar a secar e fazer colagens, havia tempo para correr e arrastar os pés no montão de folhas que se acumulava junto aos portões da quinta que ladeava o caminho, havia tempo para perceber que tudo aquilo era demasiado lindo para não se lhe dar importância. Havia tempo para chu…

Imagens com vento

Imagem

Sinos

Não sei como traduzir isto mas....tenho sinos no lado direito da minha cabeça. Desde ontem.

Admirável mundo dos...

Apartamentos. Apartamentos com acabamentos miseráveis no que toca a isolamentos e à construção de paredes e a tudo o que possa evitar de ouvir o que o vizinho de cima está a fazer. Já me habituei aos sons da casa de banho e não quero, sequer, ter a oportunidade de ouvir outros mas, eis que hoje sou surpreendida por mais uma maravilha acústica do prédio onde vivo. Estando eu no banho e andando sensível (eu diria hiper sensível) ao toque/vibrar do telemóvel pareceu-me ouvir o telemóvel vibrar em cima da mesa da cozinha/sala e vai de sair da banheira numa manobra maluca circence e de molhar tudo à volta quando me apercebo que tudo não passava da varinha mágica a funcionar no andar de cima...algures a ralar a sopa das crianças.
Sempre dizia que nunca iria morar em apartamentos e já passaram 10 anos e continuo a ser surpreendida pelas construções destas caixinhas.

Por aqui...

Hoje, talvez se tenha dado a primeira tentativa de um vizinho qualquer aqui do bairro ter acendido a lareira. Foi estacionar, sair do carro e ficar submersa numa imensa nuvem de fumo.
De repente, lembrei-me do pequeno T1 em Águeda cuja lareira nunca funcionou, apenas como elemento decorativo...

Ontem

Ontem rompia a madrugada com o silêncio das palavras...o olhar fixo nas luzes da noite, nas linhas da estrada, nos kms percorridos, no que queria afastar do meu pensamento aumentando o volume do radio...
E houve uma estrela que caiu no recorte da sombra da colina, talvez para me fazer sonhar, mais ainda...