Na terra dos sonhos...

“Coabitava” no nº 6 da Via Marzolo e, se não me falha a memória na stanza 302. Será?? Já não tenho bem a certeza…
O enorme edifício, de cor castanha, paredes meias com a cantina onde todos os dias a agitação era imensa. Ali bem perto eram os departamentos da Universidade, as faculdades…
Lembro-me da agitação da Via Marzolo, da confusão de bicicletas, da entrada da Fusinato, que sempre exigia o cartão, do porteiro simpático que usava óculos…e pronto a memória a falhar…não me lembro do nome dele.
O corredor enorme, a sala de jogos, as horas de ping pong, o ascensore (sempre prestes a dar o berro), o nosso piso, a nossa “cozinha”, o microondas comunitário, a stanza enfeitada pelo rolo de papel higiéncio, o MartiniBianco no parapeito para refrescar, as manhãs frias, as aulas no cinema, os tombos de bicicleta, as idas ao auschan, a nutella, as gargalhadas, os stresses, os exames, as horas na sala de estudo, as festas, a cidade, o Happy Hour, a Praça da Erva, os bares ( não me lembro os nomes, tenho que rever os cartões)…
As histórias, as intrigas, os comentários, as opiniões, o tempo que se desejava, o que não se queria mais, as cartas escritas, os bilhetes…
A amizade, o amor, a paixão, o encantamento….e nada, absolutamente nada, o vazio!
O frio, a neve, as viagens, os passeios….Veneza, o deslumbramento.
Os comboios, os bilhetes por comprar, as fotografias, o capuccino, a pizza, os portugueses, os espanhóis, os italianos…
O quarto escuro, os segredos, os telefonemas, as saudades não sei do quê, as malas, a despedida, as lágrimas, os sorrisos, as promessas, a pressa, a ansiedade…O regresso!
A realidade!
São 7h20….Acorda!!

Comentários

  1. abaixo os despertadores que nos cortam memórias e sonhos acordados e a dormir!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário