Monólogo

Estou acometida por um cansaço que não consigo explicar...a simples tarefa de passar 2 camisolas a ferro torna-se penosa e tenho o corpo num torpor que não é nada normal. Como resistente que sou, prefiro continuar assim, sem poder sequer apertar os atacadores dos sapatos, a levantar o rabinho desta cadeira e andar 20 passos até ao Hospital que fica já aqui ao lado.
Prefiro ficar aqui e fazer este belo espectáculo que é liquidar meio pacote de mini tostas e meio frasco de doce de mirtillo...sou grande! Foi uma espécie de sobremesa em dose que dava para vinte pessoas. Agora nada feito...ou melhor, não fosse esta dormência e mal-estar até saíria à rua para caminhar e para me redimir deste pecado doce!
Eu acho que ando assim desde que comecei a caminhar, a pedalar na minha "borboleta".
Quer dizer,passo um ano fazer exercício, passo a vida enterrada em cadeiras e sofás e nem a ponta de um dedo me dói e agora que decido exercitar as pernas pareço uma velha, cujo diagnóstico é erremediável.
A verdade é que mal dormi...e hoje, durante o dia, voei para...

*Para a marginal de Esposende

**Para a brisa que sopra do rio Cávado...

***Para um passeio até ao farol...

Mensagens populares deste blogue

Do mar de Santa Cruz, com Berlim no pensamento

O senhor Rui

O dia de hoje naquele outro dia