Música em mim...

Acontece tudo ao mesmo tempo...eu não tenho limite de horas nos meus dias para viver...não quero! Quero tudo!
Às tantas surge a oportunidade de voltar a estudar clarinete e vou, mas volto um pouco triste...foram anos perdidos, os dedos tolhidos, os músculos da face tensos, a respiração trocada...a música não se quer assim...quer-se doce, suave como beijos quentes...e não é nada fácil lidar com isto. Perceber que, face ao trabalho, à rotinas, aos afazeres profissionais, uma parte de nós ficou para trás, sempre a clamar por atenção mas sem nunca ter a que merecia.
E percebo que existem outras pautas que quero seguir, sem nunca esquecer que tudo isto é uma partitura das grandes e estive até agora num longo compasso de espera...agora chegou a minha vez de fazer um solo...com ou sem clarinete!

Comentários