Desabafos, confissões e teorias

Que me perdoem todos aqueles que seguiram o apelo de boicote ao dito hipermercado. Não tenho (quero) alternativas. E digo isto porque mesmo sabendo que as outras opções existem, não me compensam.
Neste início de tarde de domingo em que se conjugam fortes variáveis para eu estar cabreada com o mundo (a saber: é domingo, estava à chover até há minutos atrás, estou em Sintra,sozinha em casa e sem vontade de mudar do sofá para a secretária), a simples refeição de uma pizza pré-feita-congelada-pré-cozinhada-ou o que seja, levou-me a pensar em pequenas banalidades financeiras e económicas.
Claro está, que em assuntos da atualidade que sejam tudo menos artigos da Lei nº 64-B/2011, de 30 de Dezembro, eu não estou informada. Não me preocupo, não ocupo tempo a pensar, a ouvir opiniões, correntes, ideias, posições porque vai tudo ter a um mesmo fim (julgo eu, são as minhas teorias). É por isso que não faço a mínima ideia de como vai a consolidação de contas do país, de como vamos alcançar a meta do défice, de como funcionam as agências de rating, não sei como funcionam negócios como os da EDP mas posso aprender rápido.Eu leio, mas parece-me tudo uma grande sopa juliana. Mas não me parece que fosse mais feliz por saber tudo isso. Nem mais realizada por saber mais de números, de política, de economia, de finanças.
Sei apenas que se não for fazer compras ao PD terei de andar mais km´s para ir a um outro hipermercado cujas políticas de emprego, económicas ou financeiras eu desconheço e posso estar a fazer compras num sítio que não paga as horas extra aos trabalhadores e se calhar aplica os lucros na conchenchina.
Isso, ou ir fazer compras ao sítio onde os produtos têm todos nomes esquisitos e cuja descrição só está disponível em grego e eu nunca fui boa a línguas e como posso saber se o atum é em óleo ou em azeite?
Ou então ir aqui ao supermercado ao pé do prédio que até era uma excelente ideia, estava a dinamizar o comércio local, mas até quando me aguentaria a pagar 2 euros pelo Kg da laranja quando posso pagar pelo mesmo 80 cêntimos?
Eu até posso aderir a campanhas de comprar produtos portugueses mesmo sabendo que os pepinos que outrora tinham uma placa de identificação de origem espanhola podem muito rapidamente passar a ter nacionalidade portuguesa. Quem me garante que aquela laranja é realmente do Algarve e não vem do Norte de África? Ceticismos à parte a pizza era realmente boa, foi barata e o sitio onde a comprei fica no caminho de casa para o trabalho.

Comentários