Da memória

Acho que foi em Outubro que comprei o último livro, "Se fosse fácil era para os outros", do Rui Cardoso Martins. Li algumas páginas e, entretanto, o livro foi ficando para trás porque vieram as revistas de RH, a Monocle, os guias de Londres e por estes dias voltei à leitura do livro e...varreram-se as mais de 30 páginas que já tinha lido. Como é possível? Como poderei viver daqui a uns tempos com esta memória de 24h que inviabiliza tanto da nossa vida? Deverei preocupar-me ou tentar registar tudo, entrando num obsessivo registo diário da minha vida, dos temas, dos livros, dos filmes, das músicas?
Se vejo um filme com sequela, o mais provável é que precise de ver novamente o primeiro quando sair o segundo.
No caso do livro, mesmo depois de reiniciar a leitura não recuperei muitos pormenores das páginas volvidas.
Será isto sintoma de um excesso de (des)concentração quando leio ou funciona apenas "on" e "off" e nada mais?
Seja o que for, adiante na leitura, um dia volto a esta história.

Comentários