Autárquicas

Aproximam-se as eleições e, pela primeira vez, não irei votar à "minha escola primária". Depois dos périplos para tirar o cartão de cidadão e, dado que a minha morada fiscal fica na distinta freguesia de Rio de Mouro, recebi uma carta com os novos dados e local de voto.
Há, em tudo isto, um sem número de pormenores: não faço a mínima ideia onde é a mesa de voto mais próxima, não conheço nenhum dos candidatos de freguesias e, para a Câmara, conheço aqueles que se dispõem nos cartazes que vejo a caminho do trabalho. Nunca me interessei por política mas ao nível das autárquicas sempre votei nas pessoas, nunca pelos partidos. Porque numa freguesia pequena como  a minha (de nascença)  é fácil conhecer as pessoas, o que realmente são capazes de fazer, os problemas e as necessidades da população que identificam. Vivo e trabalho num sítio onde nada sei sobre acessos, estradas, condições sociais, estruturas básicas. Vou para o trabalho e venho e, em tempos livres, vou mais vezes a Lisboa do que propriamente a Sintra. Não gosto de aglomerados de bairros e zonas urbanas claustrofóbicas e tenho pavor a ter de viver num prédio com mais de quatro andares. Só por isso tenho sorte de viver num sítio feio como tudo mas mais ou menos calmo, tirando alguns incidentes que vão acontecendo.
Ao centro de saúde de Rio de Mouro fui uma vez e jurei que nunca mais, porque às 08h00 da manhã a fila dava a volta a três bairros inteiros. Aos correios fui várias vezes mas evitava fins do mês porque instala-se a polícia à porta, supostamente, para segurança dos inúmeros idosos que ali levantam as suas reformas.
A única vez que me intrusei mais com questões desta terrinha foi quando escrevi para várias entidades, junta de freguesia e câmara a propósito da não recolha do lixo que, de quando em vez, acontece à minha porta e até hoje ainda estou à espera de uma resposta.
Em resumo, não sei absolutamente nada dos projetos e das pessoas que vou encontrar no boletim de voto daqui a umas semanas. E não sei onde é a "escola primária" cá do sítio.

Comentários