Depois de amanhã

O meu pai era a única pessoa que me perguntava ou que afirmava quantos quilómetros fazia nas minhas viagens, fossem de avião ou quando, vezes sem conta, conduzi na A1 entre Norte e Sul.
Acho que fiz mais estrada dessas vezes que a distância que agora me separa do poiso dos afectos. São mais de 2500kms e já depois de amanhã início o fim de semana mais esticado de sempre, com passagem por sete cidades distintas sem que esteja em nenhuma delas de modo relaxado. A verdade é só uma: desta vez vou por motivos felizes e entre um casamento e uma comunhão sinto-me a D.Dolores a marcar presença em festas. Com uma diferença: eu levo menos dinheiro na pochete e por isso retida no aeroporto não devo ficar.



Mensagens populares deste blogue

Do mar de Santa Cruz, com Berlim no pensamento

O senhor Rui

O dia de hoje naquele outro dia