A nuvem


De vez em quando essa nuvem negra e gigante vem.
Não é tristeza, desalento, frustração. Ou será revolta, desassossego, retrospecção e futuro.
Ou não saber o que cabe no amanhã. Os sonhos. Esmagados por essa ameaça de cinzento dos medos. Dos falhanços, das decisões mal tomadas, das pessoas erradas com quem nos cruzámos e que deixam danos irreparáveis.
E como milhões de pessoas de um planeta esforço-me por ser melhor, por saber mais, por acreditar, por trabalhar mais. E nunca chega. Para mim, para os outros. Nunca chega simplesmente viver isto. Porque tem dias que não vemos para além da nuvem.

Mensagens populares deste blogue

Do mar de Santa Cruz, com Berlim no pensamento

O senhor Rui

O dia de hoje naquele outro dia