Não há tempo


O seu corpo branquelas a cair  a direito nas funduras das águas sujas do Douro.
Vi-o, estava eu a meio da ponte e percebi que era um nadador experiente pelo tempo que levou até à margem.
Reparei que fazia parte de uma filmagem e segui distraída pelo frenesim de turistas.
Foi já na varanda dos restaurantes, onde as asiáticas posam a pele branca e luzidia em sucessivos flashes, que o viria a encontrar. Roupas a pingar, cabelo grisalho de uma meia idade avançada, tatuagens no antebraço, aquele sotaque cerrado a afirmar que há trinta anos não saltava.
Por certo, não há tempo que mude um menino do rio. 



[ Ponte D. Luís, 08 de Outubro de 2019] 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para ti

As pérolas

Todas as coisas maravilhosas